PARTILHAR

O Ruído é o maior inimigo dos trabalhadores … e dos AC/DC

Foi recentemente anunciado que a lendária banda de rock AC / DC teve que adiar a sua turnê de concertos nos Estados Unidos devido ao risco iminente do seu famoso cantor, Brian Johnson, perder totalmente a audição. Brian, com 68 anos, foi exposto a altos níveis de ruídos desde o início dos anos 80, quando se uniu à banda para substituir o falecido (em estranhas circunstancias) Bon Scott. Em Maio estava previsto que dessem um concerto em Sevilla, concerto que ainda continua no ar.

A banda sonora da minha juventude é marcada pelas músicas dos AC / DC, e nenhuma delas era considerada “lenta e romântica”. A descarga Acústica dos concertos e a entrega no palco tem sido e continua a ser lendária. Infelizmente, isso faz-me sentir profundamente triste, porque podia ter sido prevenido.

Esta notícia deve fazer-nos refletir: da mesma forma que um cantor rock, nas nossas vidas profissionais geralmente podemos minimizar o impacto do ruído na nossa saúde. Há sempre coisas que nos preocupam mais, principalmente porque o risco é de curto prazo. Concentramo-nos sempre mais na proteção respiratória, prevenir as quedas de diferentes alturas, movimentações de cargas de forma incorreta ou proteger os nossos olhos contra as projeções. Por regra geral, quaisquer umas destas ameaças afeta-nos imediatamente, e os riscos decorrentes da exposição ao ruído, inclusive breves, são vistos como um risco de menor magnitude. Poucos são os trabalhadores que estão cientes do risco e da sua irreversibilidade. Da mesma forma que um cantor rock, vê os riscos mais importantes serem derivados de uma vida de excessos ele não percebe que a sua atividade diária está a abrandar as suas faculdades. Na nossa vida profissional confrontamo-nos como a proteção auditiva é necessária para fazer frente a um risco menor. O ruído é um inimigo que não podemos ver, um inimigo silencioso embora seja paradoxal.

De acordo com dados do governo dos Estados Unidos e da Organização Mundial de Saúde, existem mais de 30 milhões de trabalhadores expostos a mais de 85dB só nos EUA (https://goo.gl/Wo2CvJ) e mais de 350 milhões de pessoas sofrem perdas auditivas sendo a deficiência sensorial a mais importante a nível mundial. Perdas que levam a incapacidades laborais, problemas nos relacionamentos, depressões, irritações, etc. Tudo isso é um claro obstáculo para uma qualidade de vida adequada, começa-se a sofrer numa idade precoce como se já tivéssemos a doença numa idade mais avançada.

E, no entanto, a parte boa é que apesar de ser um risco inerente da nossa sociedade e do ambiente de trabalho também é um risco totalmente evitável.

Durante a última Feira Internacional de SICUR 2016, pudemos ver diferentes soluções e equipamentos que ajudam a evitar estes problemas. Além das soluções estruturais que podem ser implementadas nos empregos, isolando ambientes ou máquinas, uma proteção adequada do trabalhador é perfeitamente alcançável. Hoje a tecnologia acompanha-nos nessa tarefa, com os desenvolvimentos contínuos que permitem proteção auditiva adequada, ligeira, confortável e compatível com outras medidas de proteção. Existem soluções com sistemas de atenuação de ruído ativo para proteger os trabalhadores, quando necessário, e pode até ser acompanhado de equipamentos de comunicação para minimizar os riscos e permitir uma maior produtividade no ambiente de trabalho, sem necessidade de remover a proteção para comunicar por um telemóvel ou sistema de rádio.

Mas talvez, uma das ferramentas que esperamos em breve será comum nas empresas de serviços de prevenção contra riscos de ruídos, que são os sistemas de validação de ajuste dos protetores auditivos (tampões e abafadores). Estes permitem analisar e avaliar a adequação dos EPI para as necessidades de cada trabalhador com base na função do seu posto de trabalho e do seu nível de exposição, melhorando o seu nível de consciência e formando-o sobre a correta utilização dos equipamentos. No tempo do “café para todos” a proteção já passou, cada vez mais é necessário personalizar a proteção que se oferece aos trabalhadores.

A tecnologia está do nosso lado e até mesmo a União Europeia, com o novo regulamento que será aprovado nas próximas semanas, que se verifica na diretiva anterior 89/686/ CEE de Equipamentos de Proteção Individual, que vem reforçar a importância de proteger a perda de audição. Uma das maiores mudanças é dar ao ruído Categoria III, considerando que os riscos associados à alta exposição e danos irreversíveis devem ser uma prioridade. Este, sem dúvida, leva a um maior investimento no desenvolvimento de soluções, materiais e produtos que estejam em conformidade com a legislação e controlo mais rigoroso de qualidade na fabricação de equipamento de proteção.

Mas todos os esforços serão em vão, se não se trabalhar na mudança de mentalidade, numa maior consciencialização. Uma maior consciencialização dos riscos e dos problemas derivados de uma proteção insuficiente. A não utilização dos EPI adequados durante todo o período de exposição, leva a uma perda na eficácia das medidas de proteção e a consequências graves. Os técnicos de prevenção, com a sua atividade diária, são as chaves no trabalho de consciencialização, assim como no alcançam-se de uma proteção personalizada para os trabalhadores, usando as novas tecnologias no sistema de proteção e validação.

Talvez Brian Johnson, de forma involuntária, ajude também a mostrar a importância de alcançar a adequação e proteção necessária, porque mesmo quando vives numa Highway to Hell, necessitas de proteger-te contra determinados riscos.

DEIXE UM COMENTÁRIO